…tudo eu, tudo meu

Porque metade de mim é partida mas a outra metade é saudade!

Na Cafeteria

Sobre a mesa, uma pasta, uma bolsa, um guarda-chuva
preto (e um céu que não queria chover), adoçante, açúcar (esqueceste de
pedir o mascavo), sorrisos largos, uma bandeja “suicida”, uma fatia
gigantesca de torta (que tu juraste que não comerias inteira), um café
com leite, um expresso duplo, pequenos goles, grandes planos.
E
quatro mãos que matavam a saudade.
– Um dia, casa comigo?

Caso.

PS: Porque de vez em quando a poesia não está nas linhas,
entrelinhas, reticências, letras do Djavan, na voz da Marisa. De vez em
quando a poesia habita dois corações. E apenas dois corações sabem do
que são capazes.

(Natália Anson Lima – Na Cafeteria)

Anúncios

28 de março de 2010 Posted by | Poesias e Músicas | , , , | 1 Comentário

Cartas de Amor

Todas as cartas de amor
são Ridículas.cartas
Não seriam cartas de amor
se não fossem Ridículas.
Também escrevi em meu tempo
cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.
As cartas de amor,
se há amor,
Têm de ser Ridículas.
Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.
[Álvaro de Campus]

21 de setembro de 2009 Posted by | Poesias e Músicas | Deixe um comentário