…tudo eu, tudo meu

Porque metade de mim é partida mas a outra metade é saudade!

Na Cafeteria

Sobre a mesa, uma pasta, uma bolsa, um guarda-chuva
preto (e um céu que não queria chover), adoçante, açúcar (esqueceste de
pedir o mascavo), sorrisos largos, uma bandeja “suicida”, uma fatia
gigantesca de torta (que tu juraste que não comerias inteira), um café
com leite, um expresso duplo, pequenos goles, grandes planos.
E
quatro mãos que matavam a saudade.
– Um dia, casa comigo?

Caso.

PS: Porque de vez em quando a poesia não está nas linhas,
entrelinhas, reticências, letras do Djavan, na voz da Marisa. De vez em
quando a poesia habita dois corações. E apenas dois corações sabem do
que são capazes.

(Natália Anson Lima – Na Cafeteria)

Anúncios

28 de março de 2010 - Posted by | Poesias e Músicas | , , ,

1 Comentário »

  1. É verdade, ás vezes a poesia habita a extensão de um olhar. Outras vezes podemas encontrá-la em meio ao silêncio. Pode até passar despercebida, disfarçada num gesto de carinho.

    Texto legal,

    Abraço!

    Comentário por Ravyn | 28 de março de 2010 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: